Financie um apartamento direto com a construtora

Conheça os benefícios e vantagens de financiar um apartamento direto com a Thora Torresani. Oferecemos o melhor custo x benefício da categoria e 74 meses para pagar.

 

Diferente de outros tipos de bens, a compra de um apartamento exige cautela e muita pesquisa, pois este é um dos maiores (e melhores) investimentos que uma pessoa pode fazer. Há quem prefira adquirir um imóvel à vista, recebendo em troca um desconto significativo, e há também quem prefira financiá-lo com o intermédio de uma agência bancária. Mas existe ainda uma terceira opção: financiar um apartamento direto com a construtora.

 

vantages-de-financiar-apartamento-direto-com-construtora-thora-torresani

O financiamento de imóveis com as incorporadoras oferece uma série de vantagens, Antes de falarmos sobre elas, vamos entender como essa modalidade surgiu:

A atividade principal de uma incorporadora é fazer a ponte entre a construtora, proprietários de terras e clientes. Desde a década de 60, período no qual o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) surgiu, as incorporadoras capitalizadas passaram a atuar também como instituições financeiras, viabilizando compra e venda de imóveis.

A partir de 2008 tivemos um “boom” no crédito habitacional oferecido pelas agências bancárias. Com isso, o ritmo do mercado imobiliário manteve-se acelerado até 2014. Hoje, porém, enfrentamos uma alta na taxas de juros e políticas que restringem o crédito para controlar a inflação.

Como resultado, a falta de crédito nos bancos acaba dificultando a comercialização de imóveis. Para contornar a situação as incorporadoras estão novamente se capitalizando e realizando financiamentos sem o intermédio de terceiros.

 

financiar-apartamento-direto-com-construtora-vale-a-pena-joinville

 

Financiando um apartamento direto com uma construtora

 

Os bancos costumam oferecer financiamentos mais longos, com prazos de até 360 meses, seguindo as modalidades SAC ou Price. As taxas de juros da Caixa Econômica Federal iniciam a partir de 10% – mais a correção da Taxa Referencial (TR).

 

As incorporadoras, por sua vez, costumam utilizar a taxa Selic (hoje em torno de 7,5%) mais a correção pelo IGP-M ou INCC na modalidade Price. O prazo de financiamento costuma ser menor: geralmente 60 meses após a entrega do empreendimento. Entretanto, como a incorporadora também tem retorno na própria incorporação e na venda do imóvel, pode ficar mais fácil negociar as taxas de financiamento.

 

Outra grande vantagem é a agilidade no processo de aprovação no crédito, pois a lista de pré-requisitos é menor do que a lista exigida pelas agências bancárias. Além disso, você também pode migrar o financiamento para um banco a qualquer momento. A situação inversa, por sua vez, não é possível. Por fim, caso haja alguma mudança significativa nas suas finanças e você precise renegociar valores, as construtoras costumam ser mais receptivas.

 

No caso da Thora Torresani, os apartamentos do Edifício Costa da Bretanha podem ser financiados em 74 meses, um período maior do que é encontrado no mercado imobiliário de Joinville – isso sem contar o custo por metro quadrado. Nós oferecemos o melhor preço da categoria: R$4.300,00 por m².

 

Caso tenha interesse em receber mais detalhe sobre os apartamentos e as coberturas do Ed. Costa da Bretanha, entre em contato com nossa equipe comercial: (47) 9-9979-1625

10 erros letais que os investidores de imóveis cometem

A atual crise econômica influenciou o mercado imobiliário e trouxe com ela novas oportunidades de negócio: os preços caíram ou se mantiveram estáveis, as condições de pagamento se tornaram mais flexíveis e há um bom volume de produtos disponíveis. Com isso, investir em imóveis se torna uma ideia cada vez mais atraente, mas, como tudo o que envolve dinheiro, há um caminho certo e um caminho errado.

A Bankrate listou os 10 principais erros que os investidores de imóveis cometem. Armadilhas que podem, inclusive, ser letais. São eles:

1. Falta de planejamento
Este é um dos erros mais cometidos pelos investidores, principalmente iniciantes e inexperientes. Nunca compre um imóvel sem antes saber o que você irá fazer com ele. Primeiro faça um planejamento detalhado, pense a longo prazo, pesquise opções, converse com especialistas e só então parta para o contrato. Neste post trouxemos dicas valiosas com 5 atitudes de todo investidor imobiliário de sucesso.

 
2. Achar que vai ganhar dinheiro rápido
Comprar um imóvel para alugar ou para vender no futuro é um investimento de baixo risco e de longo prazo. Por este mesmo motivo é preciso paciência para obter o retorno desejado.

 
3. Bancar o MacGyver
A menos que você seja um investidor experiente, investir em imóveis sem a ajuda de outros profissionais pode ser perigoso! Monte o seu time com pelo menos um consultor imobiliário, um avaliador, um advogado e um credor, tanto para a compra quanto para a venda de um imóvel.

 
4. Investir mais do que recebe
Outro motivo que leva os investidores ao fracasso é comprometer demais a sua renda na compra de um imóvel. O ideal é que o financiamento não ultrapasse 30% da renda mensal, do contrário, corre-se o risco de tornar-se insustentável.

 
5. Não fazer o dever de casa
Depois de planejar, analisar opções e fechar negócio, muitos investidores deixam de acompanhar o investimento. Eles não fazem manutenções, não estudam o mercado, não se atualizam. Simplesmente largam a casa ou o apartamento na imobiliária e esperam que a corretora faça todo o serviço. Mas não é bem assim. Se você quer ser um investidor de sucesso neste ramo precisa estar informado, atento as novidades do mercado, agendar reuniões mensais com o seu time para buscar melhorias e caminhar lado a lado.

 

6. Não ter agilidade
Investidores novatos podem fechar negócio sem muita pesquisa e sem formar um time completo. Mais para frente, quando o imóvel precisar de acompanhamento, isto poderá se tornar um problema e seu tempo de resposta será muito mais lento.

 
7. Investir em uma única opção
Se você está trabalhando com um único imóvel e este é o seu único tipo de investimento, você está fazendo transações e não negócios. Você precisa de um volume suficiente de investimentos para avaliá-los, compará-los,  eliminar as opções que não são tão boas e prosperar com aquelas que dão mais retorno. Faça o seu dinheiro trabalhar por você.

 
8. Interpretar mal o fluxo de caixa.
Se a sua estratégia é comprar, manter e alugar imóveis, você precisa de um fluxo de caixa que seja suficiente para cobrir as manutenções. Avalie também as taxas cobradas pelas consultoras, os impostos, o seguro, custos com divulgação, condomínio, reformas…

 
9. Ter apenas um plano
Muitos investidores adquirem um imóvel sem ter um plano B, um plano C ou até um plano D. Você precisa de duas ou mais maneiras de sair de qualquer negócio se, porventura, ele deixar de ser vantajoso em algum momento.

 
10. Expectativas erradas
Com uma equipe de profissionais ao seu lado e com um bom planejamento, as chances do seu investimento não corresponder as suas expectativas são bem menores. Como dissemos no item 5, não deixe de fazer a lição de casa: estude, pesquise e busque a opinião de outras pessoas do ramo.

 
A Thora Torresani possui um novo empreendimento no Saguaçu, um bairro nobre em Joinville. São apartamentos de alto padrão, a partir de 146m² com 2 ou 3 suítes e 2 ou 3 vagas de garagem. O edifício, chamado de Costa da Bretanha, possui apenas 8 unidades e as obras já foram iniciadas.  Clique aqui e veja mais detalhes. Se você está pensando em investir num imóvel, vale a pena conversar com nossos consultores: (47) 3481-5555.

8 dicas para quem quer usar o FGTS no financiamento de um imóvel

O Conselho Monetário Nacional aumentou, no finalzinho de novembro, o valor máximo dos empreendimentos que podem ser financiados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH). A mudança foi de R$650mil para R$800mil e serviu de incentivo para quem está pensando em amortizar o financiamento de um imóvel com o FGTS. (Leia o post completo aqui!)

A novidade também traz dúvidas: é vantajoso usar o FGTS para financiar um apartamento? Se sim, como proceder? Pensando nisso, trouxemos 8 dicas para quem pretende realizar mais uma conquista, seja saindo do aluguel ou simplesmente adquirindo um apartamento que esteja mais de acordo com as suas necessidades. 

 

  1. Verifique se você está apto para usar o FGTS para comprar um imóvel.

Para usar o FGTS você precisa cumprir quatro requisitos:

  • Ter pelo menos três anos de carteira assinada
  • Não possuir nenhum outro financiamento ativo no SFH
  • Não possuir outro imóvel residencial em seu nome no mesmo município onde pretende comprar o novo
  • Trabalhar ou morar na cidade onde está o imóvel que você pretende financiar com o FGTS

 

  1. Confira se o saldo do seu FGTS é suficiente.

Acesse o site da Caixa Econômica Federal para conferir o saldo do seu FGTS utilizando o número NIS/PIS/PASEP e a senha cadastrada; ou ainda, vá pessoalmente até uma agência com um documento de identidade e número NIS em mãos para conferir o saldo.

 

  1. Separe a documentação.

Reúna documentos que comprovem que você atende aos requisitos listados acima, assim como a sua carteira de trabalho, um comprovante de residência, certidão de nascimento ou casamento, carteira de identidade e CPF. Consiga também uma cópia da certidão de matrícula ou do IPTU do apartamento a ser comprado. Se tiver alguma dúvida, converse com nossos corretores. 😉

 

  1. Entenda como é feito o saque.

Durante a negociação, o agente financeiro é a entidade que irá sacar o seu fundo de garantia. O processo é feito a partir de um documento, onde o trabalhador (você) solicita o saque. Este documento é entregue à Caixa Econômica Federal. Quando o FGTS é liberado, cai direto na conta do vendedor. Isso quer dizer que você não vai lidar diretamente com o dinheiro.

Os agentes financeiros são, em geral, os bancos, consórcios ou empresas de crédito imobiliário. Mas fique esperto: nem todo banco opera com o FGTS.

A liberação do FGTS leva em torno de 5 dias, mas existem outros processos relacionados à compra que podem levar mais tempo como, por exemplo, a aprovação do financiamento.

Outra dica importante: você não precisa sacar todo o seu FGTS para usar na negociação. Ao fazer o pedido para o agente financeiro, especifique o quanto você pretende usar. O que continuar na sua conta, continuará rendendo, assim como os futuros depósitos feitos pelo seu empregador. Você pode usar o fundo quantas vezes forem necessárias, desde que siga aos requisitos do item 1.

 

  1. Tome cuidado com as dívidas!

Mesmo se você tiver dívidas, poderá sacar o FGTS para utilizá-lo na negociação. Mas, se você estiver endividado e com o nome listado em algum dos serviços de proteção do crédito (SCPC, Serasa) a aprovação do financiamento poderá ser bloqueada.

 

  1. Escolha o imóvel certo.

Você só consegue financiar um apartamento usando o FGTS se for pelo Sistema Financeiro de Habitação. O imóvel precisa ser urbano, ou seja, precisa estar dentro da cidade. Também precisa ser residencial e destinado à moradia.

 

  1. Use o FGTS apenas para financiar um imóvel em seu nome.

Não é possível usar o FGTS para comprar uma casa ou apartamento para um parente ou amigo, nem mesmo filhos. O fundo só pode ser sacado se você for o comprador e futuro morador do imóvel. Quem não cumprir a regra poderá ser processado por estelionato e terá que devolver o dinheiro do FGTS.

Por outro lado, se esta outra pessoa for morar com você, mesmo não tendo nenhum grau de parentesco, você pode usar o FGTS. O mesmo vale para uniões estáveis, inclusive para casais do mesmo sexo.

 

  1. Leia o Manual da Caixa

O manual “FGTS – Utilização em Moradia Própria“, criado pela Caixa, reúne uma série de informações acerca das regras de financiamento pelo SFH utilizando o fundo de garantia. Baixe o manual, leia com atenção e converse com o seu corretor.

ENTRE EM CONTATO

O nosso lar traduz quem nós somos. Se você se interessou por um de nossos empreendimentos, preencha o formulário que, em breve, entraremos em contato.